A vaidade feminina e a morte de Psiquê

A vaidade feminina tem representação mítica no cofre de Perséfone.

Psiquê morre em razão da vaidade.

A vaidade serve à Persona.

Quantas mulheres não fazem isso?

A vaidade feminina e a morte de Psiquê

A morte de Psiquê


Psiquê tem o pequeno cofre com o unguento da beleza de Perséfone nas mãos e questiona por que ele seria tão importante para Afrodite.

Movida pela curiosidade e pela ideia que já não estava tão bela devido às duras tarefas que enfrentara decide por abrir o cofre.

Mas ao invés de encontrar a beleza, Psiquê encontra o sono da morte.


O mito completo você pode ver aqui: O mito de Eros e Psiquê

A vaidade feminina e a morte de Psiquê

A vaidade feminina


Tragamos a mensagem do mito para a vida cotidiana das mulheres.

Uma mulher dolorosamente se depila, passa horas em frente ao espelho, usa sapatos com altos e finos saltos durante um dia inteiro, passa fome em suas inúmeras dietas…

E muito mais poderia ser acrescentado nesta lista e tudo isso para ser atraente, bela e desejável.

O unguento da beleza é esta preocupação e ocupação da mulher.

Qualquer mulher no lugar de Psiquê teria vontade de abrir o cofre de Perséfone!

A vaidade feminina e a morte de Psiquê

Aliás, muitos comerciantes de produtos de beleza prometem este cofre de Perséfone e as mulheres estão sempre comprando estes cofres.

Isto faz parte da natureza da mulher, porém algumas mulheres polarizam tanto a vida em função deste cofre da beleza de Perséfone que acabam morrendo para a vida.

A aparência tem sua importância, mas o que é vital é a essência.

A aparência é a persona.

A mulher que se preocupa demasiadamente com o unguento da beleza acaba por se ocupar com superficialidades (a aparência é a superfície que fica à mostra) e morre para a essência (as profundezas de si mesma).

A mulher que assim age passa a colecionar relacionamentos superficiais e externos.

Ou seja, quando um homem a encontra pelo caminho percebe a sua beleza, mas ao tocá-la vê que é uma pessoa morta.

Mulheres assim chamam a atenção de Eros, mas não são levadas à morada dos deuses por ele.

Mulheres assim encantam os olhos, mas não encantam a alma, pois perdem a natural graça feminina que existe na essência de sua feminilidade.

A morte de Psiquê significa a morte de um modo de viver, a passagem para de um nível de evolução.

A morte de psique significa não somente a reavaliação da preocupação narcisista e efêmera da polarização da vida baseada na aparência externa.

Significa também a morte da conduta infantil e ingênua diante da morte e frente às dificuldades da vida, como também a percepção de seu lado sombrio através da vaidade exacerbada.

O unguento representa a velha consciência que precisa morrer e é Eros, o animus, quem salvará Psiquê, ou seja, que salvará o ego.

A vaidade feminina e a morte de Psiquê

Paulo Rogério da Motta


Mais de: As tarefas de Psiquê