Richard Wilhelm e Jung


Richard Wilhelm e Jung é o quinto artigo da série de seis artigos que contam a vida e obra de Carl Gustav Jung.

Richard Wilhelm

Neste artigo Jung conhece Wilhelm e traz a alquimia para a sua psicologia.

Richard Wilhelm

A vida e obra de Jung em seis artigos:


Parte 5

Richard Wilhelm e Jung

Período de 1924 a 1957


1924

Jung visitou os Estados Unidos e o Novo México.


1925

Jung passou algumas semanas com os Elgonyi no Quênia.


1926

Jung retornou da África passando pelo Egito e intensificou seus estudos sobre religiões e, principalmente, sobre alquimia, que era um tema de grande interesse desde aproximadamente 1910.

A abordagem de Jung da alquimia era em seu sentido psicológico, baseada nas meditações dos alquimistas e também sobre os textos e materiais do laboratório alquímico e que inspiraram nele a prática da imaginação ativa.

Jung via nos processos alquímicos uma representação do processo de individuação.

Ainda hoje, o interesse que Jung teve por temas como a alquimia desperta críticas por parte daqueles que consideram que “certos assuntos” não devem ser tema de estudo da ciência.

O grande equívoco é esquecer que Jung tratava destes polêmicos temas como psicólogo e não como um crente seguidor.

O confronto com seu inconsciente provocou profundas transformações em Jung e ele, inclusive, encorajou seus pacientes a fazerem processo semelhante.

Seus pacientes recebiam instruções para a condução da imaginação ativa, técnica baseada em conversações internas com as figuras da psique.

Jung também estimulava seus pacientes a expressassem seus conteúdos inconscientes através da arte, como a literatura, escultura e pintura.


1927

Jung recebeu de seu amigo Richard Wilhelm, pelo correio, um tradicional texto da alquimia chinesa intitulado: “O segredo da flor de ouro”, que foi traduzido pelo próprio Wilhelm.

Trata-se de um texto muito antigo acerca de métodos e metáforas alquímicas para que a alma, através da meditação, alcance a plenitude.

A obra foi marcante para Jung.

Ao ler o presente de Wilhelm, obra em que este fizera também os comentários, Jung consolidou sua ideia do self como arquétipo central da psique e a existência do processo de individuação no ser humano.

Segundo o próprio Jung, Wilhelm foi a relação profissional de maior importância em sua vida.


1928

Em 1928, Jung intensificou ainda mais seus estudos sobre a alquimia com Richard Wilhelm e publica o seu livro “O Eu e o inconsciente”.

A alquimia fez com que Jung encontrasse um caminho paralelo à sua psicologia e o antigo conhecimento era a ressonância que Jung procurava para validar a sua psicologia.

Os textos alquímicos apresentavam símbolos e ideias que eram presentes na psique humana e a busca dos alquimistas expressavam a busca mais legítima e profunda do ser humano.

O processo de individuação era semelhante à busca da transmutação do chumbo em ouro dos alquimistas.


1929

Jung publicou em parceria com Richard Wilhelm o livro “O segredo da flor de ouro”.

Jung em seus comentários no livro dissertou sobre a visão do ocidental diante do Oriente.

O simbolismo do Tao e o mandala como expressão da flor de ouro da psique humana foram outras ideias apresentadas por Jung nesta obra.


1933

Neste ano também conheceu Marie-Louise von Franz, então com 18 anos, importante parceira e uma das mais conhecidas divulgadoras da psicologia junguiana.


1940

Jung publicou seu livro “Psicologia e religião”.


1944

Jung fraturou o pé e sofreu um enfarto do miocárdio.

Neste ano publicou “Psicologia e Alquimia”.


1946

Jung sofreu segundo infarto cardíaco.


1947

A partir de 1947 Jung passou a ficar mais tempo em Bollingen.


1948

Jung começou a estudar William Blake e foi fundado o “Instituto Carl Gustav Jung”, em Zurique.

Jung foi então acometido por várias doenças.


1955

Em 27 de Novembro faleceu sua esposa, Emma.


1956

Jung começou as entrevistas com Aniela Jaffé para o livro “Memória, Sonhos, Reflexões”.


1957

Jung começou a redigir o livro “Memória, Sonhos, Reflexões” com Aniela Jaffé.


Vídeo: Jung maduro, criativo e profundo