Psicólogo, dádiva e sacrifício

Psicólogo é alguém que se propôs a conhecer a alma humana e que vê a vida como uma história que pode ser bem escrita.

Considerações e reflexões sobre o ofício de ser psicólogo.

Psicólogo, dádiva e sacrifício

Psicólogo, dádiva e sacrifício


O psicólogo precisa gostar do que faz!

São tantas as incertezas, são tantas as possibilidades, são tantas as teorias, que aquele que exerce a psicologia ou que está se preparando para exercê-la se vê em meio a um mar de verdades.

Para este profissional a incerteza é parte da vida. Mas é na incerteza que moram as mudanças. E é nas mudanças que mora a excelência.

A psicologia é um mar de teorias.

E estar neste mar de teorias não é estar à deriva, e sim se é navegar.

Penso sim que o atual ou o futuro psicólogo pode ter preferência por uma teoria ou outra, mas penso que ele não pode cair na rigidez de ser somente um repetidor de procedimentos.

A espontaneidade tem que ser uma característica de quem escolhe a psicologia.

Também ele deve ter: criatividade, sensibilidade e originalidade.

O psicólogo, como todos os seres humanos, é alguém com anseios e receios, mas ao ouvir o seu chamado interno, ou seja, ao seguir sua vocação, ele faz com que seus anseios e receios sejam sua cartilha para melhor compreender o outro.

Psicólogo também é o segredo do outro em pessoa e a pessoa em segredo na mente do outro.

E a humildade é essencial ao psicólogo, não só para não cair nas suas armadilhas narcisistas, mas também para tirar o peso de seus ombros de que ele tem que ser perfeito e só assim então poderá exercer sua profissão.

O psicólogo precisa saber lidar com o novo, pois cada ser humano é singular.

Ele precisa saber lidar com o que nunca lidou ou conheceu e ao invés de temer o desconhecido ele vê que o lidar com o novo é uma oportunidade de atuar na vida de forma responsavelmente aventureira.

Cabe-lhe a busca de ser original e criativo, ter humildade em suas relações, respeitar a verdade que há em cada um e ter a certeza de que o incerto faz parte da vida.

Nada é tão certo quanto a incerteza da vida!

Este profissional da alma é aquele que perfeitamente vê o imperfeito e se regozija porque o que não é perfeito significa que possui espaço para ser melhor.

Ser psicólogo é não ver o ser humano como um pobre diabo cheio de defeitos que carrega o mundo nas costas!

Ser psicólogo é ver o ser humano como alguém com a capacidade de ser divino, com potencialidades infinitas a serem despertadas e que tudo isso faz do ser humano o incrível ser que é capaz de tocar o céu do universo que existe nele mesmo.

Ser psicólogo envolve quintessência e procedimentos incomuns como:

  • Ouvir com o coração
  • Ver com a alma
  • Falar sem dizer
  • Chorar sem lágrimas
  • Escutar diálogos no silêncio

Enfim, o psicólogo é aquele que tem a dádiva de servir e faz isso como sacrifício.

Não um sacrifício de quem se martiriza, mas sim o sacrifício de quem faz do seu trabalho um ofício sagrado.

Paulo Rogério da Motta

Psicólogo, dádiva e sacrifício