Primeiros passos na Psicologia Analítica

Para se dar os primeiros passos na Psicologia Analítica é preciso o conhecimento de alguns conceitos que são fundamentais, pois estarão presentes durante todo o caminho da psicologia da busca de si mesmo.

O surgimento da Psicologia Analítica
O surgimento da Psicologia Analítica

A caminhada pelo universo junguiano é longa e também fascinante e transformadora.

Neste artigo apresento alguns conceitos de forma superficial e que serão aprofundados em inúmeros artigos aqui no blog.

Apesar de apresentados superficialmente são suficientes para que aqueles que nunca tiveram contato com o legado de Carl Gustav Jung deem seus primeiros passos na Psicologia Analítica.

Tem início a caminhada da busca de si mesmo!


A Psique

Toda experiência humana é vivenciada psiquicamente e é nela que o ser humano constrói a sua sabedoria e apreende o que vivenciou.

Desta forma, é na psique que está a origem e o destino de todo o conhecimento humano.

A psique atua através de três níveis:

  • Consciência
  • Inconsciente pessoal
  • Inconsciente coletivo

A Consciência

A consciência permite ao ser humano ter a ciência do que está à sua volta e também ter a ciência de si mesmo.

A consciência é que permite ao ser humano orientar-se na vida e se adaptar às situações de vida.

Como foi dito, toda experiência humana é vivida psiquicamente e o agente da consciência é o ego, desta forma, o ego é o centro da consciência.


O Inconsciente Pessoal

O Inconsciente Pessoal consiste em experiências que anteriormente foram conscientes, porém agora se encontram reprimidas pela não aceitação do ego.

Também no Inconsciente Pessoal estão as experiências que foram esquecidas e as experiências passadas que foram fracas demais para deixar uma impressão no indivíduo.


Complexos

Quando conteúdos ou ideias carregados de emoção se aglomeram ou agrupam no inconsciente pessoal surge o que Jung chamou de complexo.

Os complexos passam a atuar na psique como fragmentos a ponto de terem existência autônoma e até de interferirem na vontade e no desempenho da psique.


O Inconsciente Coletivo

O inconsciente coletivo é a herança psíquica do ser humano e uma analogia que auxilia a ideia do inconsciente coletivo é a de que assim como o ser humano tem sua herança biológica, ele também tem a sua herança psíquica. 

As estruturas da psique que são comuns a todos os homens são os arquétipos.

O inconsciente coletivo também é denominado de psique objetiva.


Os arquétipos

Os arquétipos foram originados através das impressões superpostas de vivências da raça humana em incontáveis vezes no transcorrer da sua evolução e história.

São vivências, por exemplo, como o contato com os fenômenos naturais, o surgimento do sol, experiências com a mãe, encontros do homem com a mulher, travessia de rios e mares, etc..

Arquétipo (grego arché, antigo) é o primeiro modelo de alguma coisa.

Podemos entender os arquétipos como protótipos do conteúdo psíquico.

Os principais arquétipos são:

  • Persona
  • Anima e Animus
  • Sombra
  • Self

Self

Jung chamou o self de arquétipo central, arquétipo da ordem e totalidade da personalidade.

O self representa o anseio humano de unidade.

Simbolicamente seria como dizermos que assim como Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, o self criou o ego à sua imagem e semelhança.


Anima e Animus

Jung postulou uma estrutura inconsciente que representa a parte sexual oposta de cada indivíduo.

Ele denomina tal estrutura de anima no homem e animus na mulher.

Tais arquétipos, além de fazerem com que um sexo apresente características do outro, também motivam cada sexo a responder e compreender os membros do outro sexo.


Sombra

Na sombra, vive tudo o que o ego não quer ou não pode adaptar aos costumes e convenções sociais e culturais.

Por isso, a sombra é o arquétipo responsável pelo aparecimento na consciência de pensamentos, sentimentos e sensações desagradáveis e socialmente repreensíveis.


Persona

A persona é o papel ou máscara do indivíduo perante a sociedade e que esta espera que ele o cumpra.

A persona representa a personalidade pública ou máscara adotada pela pessoa para responder ao que a sociedade dela espera como também para atender as suas próprias necessidades arquetípicas.


Tipos psicológicos

A tipologia de Jung se baseia na forma em que o indivíduo atua e investe sua energia em sua vida.

Jung descobriu que cada indivíduo pode ser caracterizado como sendo orientado ou para seu mundo interior ou para o mundo exterior.

Ninguém é puramente introvertido ou extrovertido, há uma alternância rítmica entre as duas atitudes: introversão e extroversão.

Entretanto, cada indivíduo tende a favorecer uma ou outra atitude e opera principalmente em termos desta atitude.

A energia dos introvertidos segue de forma mais natural em direção ao seu mundo interno e se orienta mais por fatores subjetivos.

Já a energia do extrovertido é mais focalizada no mundo e acontecimentos externos e à realidade objetiva.


Individuação

Roberto A. Johnson, em sua obra: A chave do reino interior, ao comentar sobre o processo de individuação diz que:

“[…] é o termo que Jung usou para se referir ao processo que realizamos ao longo de nossa vida no sentido de nos tornarmos os seres humanos completos que nascemos para ser”.

Ou seja, há no ser humano uma potencialidade inata para a completude, de tornar-se um ser total.

Assim, a individuação, por se tratar de um processo e busca configura-se como uma senda psíquica que o homem trilha em sua vida para realização da sua potencialidade de totalidade.


Estes são os primeiros passos na Psicologia Analítica.

São os primeiros passos de uma longa caminhada que, no final das contas, levará a quem o percorre a uma busca de si mesmo.

Ao estudarmos a psicologia de Jung, estamos, ao mesmo tempo, visualizando o mapa internalizado em nossa própria alma.

Boa jornada!

Paulo Rogério da Motta