Pablo Neruda e o poço

Pablo Neruda escreveu um poema que se intitula: O Poço.

Os versos de Neruda simbolizam a odisseia de descida ao sombrio e ao confronto e projeção da sombra.

Aqui em Psicologia Profunda há um artigo sobre o tema da projeção da sombra.

O artigo é este: A projeção da sombra.

Pablo Neruda e o poço

O alguém que mora no poço em mim


Há uma parte em cada um que não é conhecida.

Esta parte obscura é temida, renegada e vive no poço escuro da psique humana.

Idealiza-se a pessoa que se quer ser e tudo o que não condiz com essa idealização é jogado no poço do inconsciente.

Presença psíquica inconcebível, desprezível e desprezável aos olhos do ego.

Personalidade inferior, self negativo, marginal psíquico.

Construída com o que foi reprimido e com o que é negado.

Desconhecida, sem limites, imprevisível, primitiva, rebelde, instável, arruaceira…

Para o ego é assim a sombra e para o ego o poço da psique é o seu lugar.

Paulo Rogério da Motta


Pablo Neruda – O Poço

Pablo Neruda e o poço

Cais, às vezes, afundas

Em teu fosso de silêncio,

Em teu abismo de orgulhosa cólera,

E mal consegues

Voltar, trazendo restos

Do que achaste

Pelas profundezas da tua existência.

Pablo Neruda e o poço

Meu amor, o que encontras

Em teu poço fechado?

Algas, pântanos, rochas?

O que vês, de olhos cegos,

Rancorosa e ferida?

Pablo Neruda e o poço

Não acharás, amor,

No poço em que cais

O que na altura guardo para ti:

Um ramo de jasmins todo orvalhado,

Um beijo mais profundo que esse abismo.

Pablo Neruda e o poço

Não me temas, não caias

De novo em teu rancor.

Sacode a minha palavra que te veio ferir

E deixa que ela voe pela janela aberta.

Ela voltará a ferir-me

Sem que tu a dirijas,

Porque foi carregada com um instante duro

E esse instante será desarmado em meu peito.

Pablo Neruda e o poço

Radiosa me sorri

Se minha boca fere.

Não sou um pastor doce

Como em contos de fadas,

Mas um lenhador que comparte contigo

Terras, vento e espinhos das montanhas.

Pablo Neruda e o poço

Dá-me amor, me sorri

E me ajuda a ser bom.

Não te firas em mim, seria inútil,

Não me firas a mim porque te feres.