O terapeuta na Psicossíntese

O ser humano como agente ativo


O terapeuta na Psicossíntese

O terapeuta na Psicossíntese exerce um papel de facilitador transferindo no processo psicoterapêutico o papel ativo do terapeuta ao cliente.

O terapeuta é aquele que colabora no processo de recriação e reconstrução da personalidade do cliente, mas tal processo deve ser empreendido pelo cliente, afinal, a Psicossíntese se baseia na premissa do ser humano como protagonista de sua própria história.

Para a Psicossíntese é fundamental que se reconheça a responsabilidade que o ser humano tem diante de sua própria vida e, assim, a responsabilidade do próprio viver do cliente é uma meta do terapeuta na Psicossíntese, sendo o seu papel o de um facilitador para tal reconhecimento.

A relação terapeuta-cliente consolida-se não somente como processo dialético, mas também como campo de experiências através das técnicas ativas ou ferramentas práticas da Psicossíntese.

O terapeuta na Psicossíntese

Os três estágios


Três estágios caracterizam o processo psicoterapêutico na Psicossíntese:

  • No primeiro estágio o terapeuta exerce um papel mais ativo;
  • No segundo estágio ele se constitui como modelo ou referência ao cliente;
  • No estágio final o terapeuta se retrai e o cliente se torna o agente ativo do processo.

Tais estágios não são necessariamente realizados em sequência e podem se alternar durante o processo.

Estes estágios caracterizam a transferência do agente ativo do terapeuta para o cliente.

O terapeuta num primeiro momento se apresenta objetivamente ao cliente, em seguida sua presença objetiva é substituída pela presença subjetiva, momento em que o terapeuta é visto simbolicamente pelo cliente e é nele introjetado; para, por fim, o cliente se tornar o agente objetivamente ativo do processo.

Esse objetivo de tornar o indivíduo protagonista faz com que a Psicossíntese use constantemente técnicas ativas ou ferramentas práticas, afim de que ele possa viver a experiência de maneira análoga e exercitar potencialidades latentes.

Outras possibilidades advindas das técnicas ativas são a transformação, sublimação e direcionamento de energias psíquicas, além do desenvolvimento, fortalecimento ou amadurecimento de funções que ainda se encontram subdesenvolvidas na psique do indivíduo.

Paulo Rogério da Motta