O Deus transcendente no Ocidente


Deus transcendente, esta é ideia proposta pelas grandes religiões ocidentais.

Por Deus estar além da criação e das criaturas, o propósito das religiões é mediar a relação com Deus.


O Deus transcendente no Ocidente

Artigo baseado na obra: Tu és isso: Transformando a metáfora religiosa, de Joseph Campbell.

No Ocidente as grandes religiões concebem a ideia de um Deus transcendente, ou seja, está além do humano e da criação.

Deus é um criador que fez o mundo e Deus e o mundo são distintos e há o criador e a criação e as criaturas.

Por ser Deus transcendente está além e as religiões ocidentais tem o propósito de fazer o ser humano se relacionar com Deus.

Joseph Campbell diz na obra citada:

Na tradição ocidental, o divino não existe dentro de você.

Quando você se volta para dentro de si mesmo, encontra uma alma humana e ela pode ou não estar num relacionamento apropriado com seu criador.

O grande mundo da tradição bíblica nos diz que a natureza é corrupta e que a queda ocorreu, seja ela designada como Pecado Original ou não.

Todo o conceito de pecado está envolvido aqui, porque você tem uma responsabilidade para com Deus de obedecer a algum tipo de lei que imagina ter sido promulgada por Ele.

No Ocidente a relação com Deus é mediada por uma instituição.

A relação com Deus indica que o ser humano e Deus estão dissociados e o ser humano é alguém privado de um senso de divindade em si mesmo.

As religiões ocidentais propagam a ideia de um pacto com a instituição religiosa e com a adoção de uma crença baseada nas afirmações de livros sagrados.

As instituições religiosas são organizações sociais em que cargos e funções são estabelecidos e, desta forma, pessoa ocupam cargos e são figuras de autoridade na relação do indivíduo com a divindade.

Também pela situação de Deus ser transcendente, Ele está em “outro lugar” e a jornada humana se baseia em buscar ser merecedor de num dia vindouro vir a estar neste lugar sagrado ao lado de Deus.

Deus é um Pai que está no céu.