Os mitos de renovação

Os mitos de renovação possuem o enredo da própria vida.

A trama: início, fim e recomeço é o paradigma da vida e da criação.

A vida gira em ciclos.

Os mitos de renovação

Os mitos de renovação


Os ritos de passagem são outro exemplo da influência arquetípica ou mítica sobre o ser humano.

James Hollis, em sua obra: “Rastreando os deuses: O lugar do mito na vida moderna”, diz:

O mito nos leva até o fundo das reservas psíquicas da humanidade. Sejam quais forem nossas raízes culturais e religiosas, ou nossa psicologia pessoal, a familiaridade com os mitos proporciona um elo vital de ligação com o significado […].

Os mitos de renovação possuem o enredo da própria vida.

Os ritos de passagem constituem a demarcação de uma história que passa a ser vista como antes de um evento e depois deste evento, ou seja, há a trama de um fim e há um recomeço.

Tal trama é vivida e percebida pelo ser humano desde o primeiro dia em que surgiu a consciência humana, pois a vida em si baseia-se nesta trama:

Os mitos de renovação

  • O dia morre e nasce a noite
  • A noite morre e nasce o dia
  • O feto tem fim para que tenha início a criança
  • O fim da infância é o fim da criança que dá lugar ao adolescente
  • Um casamento marca o fim da vida de solteiro para ter início a vida de casado
  • A graduação de alguém e sua cerimônia de formatura é um rito de passagem que demarca a história de alguém que a partir deste evento terá uma vida nova e será alguém renovado em sua vida profissional

E os exemplos são incontáveis.

Estes ritos de passagem são ritos de renovação.

A trama: início, fim e recomeço é o paradigma da vida e da criação.

Os ritos de passagem ou renovação são a tomada de consciência de que é assim que a vida funciona e foram internalizados na psique humana pela percepção do ser humano de que a vida é cíclica e a celebração dos ciclos geraram os mitos de renovação.

Reatualizar estes mitos é, portanto, a celebração da vida e de seu modus operandi.

Os mitos de renovação

Paulo Rogério da Motta