Jung, o peregrino do amor

Peregrino do amor é o papel daquele que busca a si mesmo.

Frases de Jung num roteiro da jornada do herói que coloca o amor como infinito que permeia alpha e ômega.

Jung, o peregrino do amor

Prefácio

Jung, o peregrino do amor


Jung foi alguém que teve sua vida permeada pelo amor.

Viveu o amor com todos os seus ingredientes: drama, paixão, dor, isolamento, busca, culpa, emoção, êxtase, ilusão, desilusão…

Em nome do amor circum ambulou entre céu e inferno.

O amor com suas diversas faces olharam para Jung e ele fitou sempre o sentimento maior com a alma aberta.

Jung alicerçou sua psicologia na união dos opostos e na busca de si mesmo.

Unir dois polos é uma missão de amor.

Jung conciliou razão e coração, consciência e inconsciente e até o próprio ódio e amor.

Jung fez da dualidade, diálogo.

Por sua vez, buscar a si mesmo é uma jornada a serviço da alma.

E a alma é o instrumento do amor.

E o amor é a essência do Criador.

Jung, com sua alma, abriu as janelas do inconsciente e viu o ser humano como alguém que caminha em si para transcender a si mesmo.

E sábio como era, viu que nada é mais transcendente que o amor.

O que se pode dizer do amor é que Ele é o infinito entre o alpha e o ômega.

Paulo Rogério da Motta

Jung, o peregrino do amor

A jornada do herói do peregrino do amor

Jung, o peregrino do amor

O alpha


O chamado da aventura – A constatação

Onde acaba o amor, têm início o poder, a violência e o terror.

(Presente e futuro)


A fuga do normal – Além da dualidade

Ódio e amor, medo e veneração surgem no teatro da confrontação e a dramatizam em grau supremo.

Dessa forma, o que era simplesmente “exposto”, se torna “atuado”.

O desafio é lançado ao homem total e é com toda a sua realidade que ele se empenha no combate.

Só dessa forma o homem pode atingir a totalidade e “Deus pode nascer”, isto é, participar da realidade humana e associar-se ao homem sob a forma de “homem”.

(Memórias, sonhos, reflexões)


A presença mágica – O Coração

Não há prostituta mais hipócrita que o intelecto quando substitui o coração.

(O Livro Vermelho)


Jung, o peregrino do amor

O infinito…


A conquista – A essência divina

A fórmula condicional de São Paulo: “… se eu não tiver amor…” parece-me ser o primeiro de todos os conhecimentos e a própria essência da divindade.

(Memórias, sonhos, reflexões)


O combate – A ambiguidade

[…] Mas a ambiguidade é o caminho da vida.

[…] Você diz:

O Deus cristão é inequívoco, ele é amor.

Mas o que é mais ambíguo que o amor?

O amor é o caminho da vida se você tem uma esquerda e uma direita.

Nada é mais fácil que brincar de ambiguidade e nada é mais difícil que viver a ambiguidade.

 (O Livro Vermelho)


A morte – O fim das ilusões

Poderá dar ao amor todos os nomes possíveis e imagináveis de que dispõe; afinal, não fará mais do que abandonar-se a uma infinidade de ilusões.

Mas se possuir um grão de sabedoria deporá as armas e chamará ignotum per ignotius (uma coisa ignorada por uma coisa ainda mais ignorada), isto é, pelo nome de Deus.

(Memórias, sonhos, reflexões)


Jung, o peregrino do amor

O ômega


O retorno triunfante – Sei que nada sei

Tanto minha experiência médica como minha vida pessoal colocaram-me constantemente diante do mistério do amor e nunca fui capaz de dar-lhe uma resposta válida.

(Memórias, sonhos, reflexões)


O crescimento – O outro e eu

Melhoramos o outro através do amor e o pioramos através do ódio, o que vale também para nós mesmos.

(Psicologia e alquimia)


A ressurreição – Encontro com a alma

Minha alma, onde está você?

Você me ouve?

Eu falo, eu chamo você…

Você está ai?

Eu voltei, estou aqui de novo.

Sacudi dos meus pés a poeira de todas as terras e vim até você, estou com você.

Depois de longos anos de longas peregrinações, voltei novamente para você.

Devo contar a você tudo eu tenho visto, vivenciado e absorvido?

Ou você não quer ouvir sobre todo o barulho da vida e do mundo?

Mas uma coisa você tem que saber:

A única coisa que eu aprendi é que temos que viver esta vida.

(O Livro Vermelho)


FIM

Que é recomeço…