Individuação

O que significa Individuação?

Dicionário Junguiano: Processo psíquico de desenvolvimento de toda a personalidade, tornar-se um ser único, buscar a si-mesmo…

Individuação – Dicionário Junguiano

Dicionário Junguiano

Individuação


Individuação tem origem na palavra latina individuum, que significa aquilo que não pode ser dividido, ou seja, o que é um todo, uma unidade indivisível.

Jung se reporta a Schopenhauer e também a Gerard Dorn, um  alquimista do século XVI a adoção do termo.

Mediante o estudo das evoluções individuais e coletivas, e mediante a compreensão da simbologia alquimista cheguei ao conceito básico de toda a minha psicologia, o “processo de individuação” (Carl Gustav Jung; Memórias sonhos e reflexões).

É um processo psíquico de desenvolvimento de toda a personalidade, tornar-se um ser único, buscar a si-mesmo.

Individuação significa tornar-se um ser único, na medida em que por “individualidade” entendermos nossa singularidade mais íntima, última e incomparável, significando também que nos tornamos o nosso próprio si-mesmo. Podemos pois traduzir “individuação” como “tornar-se si-mesmo” (Verselbstung) ou “o realizar-se do si-mesmo” (Selbstverwirklichung). (Carl Gustav Jung; O Eu e o Inconsciente – § 266).

Individuação – Dicionário Junguiano

A individuação é um processo que o ser humano realiza no transcorrer de sua vida no sentido de se tornar um ser completo, completude que nasceu para ter, ser a totalidade encerrada em si.

Ou seja, há no ser humano uma potencialidade inata para a completude, de se tornar um ser total.

O caminho para buscar esta totalidade é a ampliação da consciência e a união dos opostos, consciente e inconsciente.

É também um processo de diferenciação, pois a psicologia de Jung coloca cada ser humano como um ser singular e o seu desenvolvimento psicológico passa pelo desenvolvimento de sua personalidade individual.

Todos os pinheiros são muito parecidos (ou não os reconheceríamos como pinheiro), e, no entanto, nenhum é exatamente igual ao outro. Devido a esses fatores de semelhança e disparidade, torna-se difícil resumir as infinitas variações do processo de individuação. O fato é que cada pessoa tem que realizar algo de diferente, exclusivamente seu (Carl Gustav Jung; O homem e seus símbolos).

O processo de individuação é regulado pelo self, o arquétipo da totalidade.

Um ponto interessante é que o self, além de ser o regulador, é também o alvo do processo de individuação.

Importante ressaltar que é um processo que nunca será finalizado, pois como todo processo, a individuação não é algo estático, é algo dinâmico, desta forma, em constante mudança.

Sendo assim, o self é como a Estrela Polar: serve como guia, mas nunca é alcançada.

Paulo Rogério da Motta