A identidade humana


Uma pergunta: o que é identidade humana?

Para responder a pergunta é oportuno antes analisarmos como é o funcionamento do ser humano para melhor compreensão de sua identidade.

 

A identidade humana


Para a psicologia, o funcionamento do indivíduo acontece de forma biopsicossocial.

Ou seja, para a psicologia o ser humano funciona de acordo com as suas emoções, pensamentos e comportamentos e, também, de acordo com o ambiente em que vive e com a sua maneira de entender o mundo, além da sua genética.

Acrescento ao funcionamento biopsicossocial também o espiritual, assim sendo, o ser humano é um ser biopsicossocial e espiritual.

Com este acréscimo também as motivações espirituais influenciam o funcionamento do ser humano.

Após tudo isso, podemos dizer que a identidade é o resultado das influências internas e externas ao longo da vida da pessoa.

A identidade é constituída quando apreendemos e nos expressamos no mundo, seja no mundo externo, seja no mundo interno.

   

Identidade e papel social

Quando nos expressamos no mundo externo e somos nele identificados estamos exercendo um papel social e nesta atuação apresentamos a nossa identidade social.

Nesta situação, somos percebidos pelo(s) outro(s).

   

Identidade e autoimagem

Quando convivemos com o nosso mundo interno e nos percebemos estamos lidando com a ideia que temos de nós mesmos.

Vemos a imagem que temos de nós mesmos, ou seja, a nossa autoimagem.

Nesta situação, somos percebidos por nós mesmos.

 

Papel social x Autoimagem

E quando o papel social que exercemos não espelha a autoimagem que temos?

 

Quando tal distorção acontece implica que:

  •  Ou estamos passando uma imagem enganosa;
  •  Ou não temos uma visão real de nós mesmos.

 

Resumindo:

 

Quando passamos uma imagem enganosa aos outros e não temos uma visão real de nós mesmos significa que não somos transparentes e nem autênticos; não vivemos com congruência, ou seja, não vivemos com autenticidade nem de maneira realista e nem de forma saudável (psiquicamente).

 

O autoconhecimento

Eis porque o autoconhecimento é essencial para a nossa saúde psíquica!

Só ao nos conhecermos verdadeiramente seremos autênticos, transparentes e congruentes.

Quando não nos conhecemos ou pouco nos conhecemos ficamos sem a noção do que é essencial para nós e enganosamente acreditamos e assumimos valores passados pelo que é social.

Ao assumimos valores externos e não nossos valores essenciais, vivemos de acordo com modismos e estereótipos sociais.

Desta forma, não assumimos uma real identidade e passamos a atuar na vida através de personagens que construímos para atender a demanda social.

Autoconheça-se! Busque a sua real identidade humana!

Como diz Mitsuo Ainda, um calígrafo japonês: “Que graça há em ser uma farsa?”.

  

Paulo Rogério da Motta


Uma poesia versando sobre os diversos “eus” em nosso universo interno

Euniverso – Vídeo Poesia