Extroversão

O que significa Extroversão?

Dicionário Junguiano: Atitude Psicológica que se caracteriza mais pela objetivação e relação com o mundo externo…

Extroversão – Dicionário Junguiano

Dicionário Junguiano

Extroversão


Jung descobriu que cada indivíduo pode ser caracterizado, em suas ações na vida, como alguém extrovertido ou introvertido.

Isto é, o indivíduo ser propenso a investir sua libido (energia psíquica) com maior frequência ou para o mundo exterior ou para o seu mundo interior.

Por mundo exterior ou externo podemos entender como o mundo objetivo, o mundo que rodeia e em que está inserido o ser humano.

O sujeito ao se relacionar com o objeto investe sua energia psíquica predominantemente no mundo externo ou objetivo (extroversão consciente).

Sendo assim, há pouco investimento de energia psíquica consciente no mundo interior ou subjetivo (introversão inferior).

Logo, o processo autorregulador da psique configura através de um movimento compensatório da psique uma atitude de introversão inconsciente.

Na atitude de extroversão, a energia psíquica consciente flui com naturalidade na direção do objeto.

O primeiro sinal de extroversão numa criança é a sua rápida adaptação ao meio ambiente, e a extraordinária atenção que dá aos objetos e especialmente ao efeito que ela produz sobre eles. O temor pelos objetos é mínimo; ela vive e move-se entre eles com confiança. (Carl Gustav Jung; Tipos Psicológicos – § 896).

A atitude de extroversão, portanto, caracteriza-se mais pela objetivação e relação com o mundo externo.

O tipo extrovertido investe sua energia psíquica predominantemente em suas relações pessoais e a interação social é algo que desperta particularmente o seu interesse, bem como, a fascinação por pessoas, situações sociais e coisas.

Extroversão – Dicionário Junguiano

A extroversão caracteriza-se pelo interesse pelo objeto externo, pela responsabilidade e pela pronta aceitação dos acontecimentos externos, pelo desejo de influenciar e de ser influenciado pelos acontecimentos, pela necessidade de aderir e de “estar com”, pela capacidade de suportar o alvoroço e todo tipo de barulho e considera-los, até agradáveis, pela constante atenção dada ao mundo circundante, pelo cultivo de amigos e de relações nem sempre escolhidos com cuidado, e finalmente, pela grande importância atribuída à imagem com que nos mostramos. (Carl Gustav Jung; Tipos Psicológicos – § 972).

Todos possuem as duas atitudes e a configuração do tipo psicológico se dá pela predominância de uma atitude em relação à outra.

Paulo Rogério da Motta