O estudo das cores na Arteterapia


A psicóloga e arteterapeuta Janaina Soares comenta em seu artigo como a junção das cores causa a sensação de plenitude no ser humano.


Vídeo – Cores da vida


 O estudo das cores e seus segredos

Ao estudar sobre os fenômenos das cores, seus segredos e curiosidades, é possível observar a facilidade e agilidade com a qual elas surgem e transformam-se nas mais variadas condições. O grande fenômeno inicia-se na retina humana, trata-se da sensibilidade do olho à luz e da reação da retina, onde é produzido um jogo de cores que faz ver o mundo colorido e belo. Na teoria, qualquer luz é considerada colorida levando em consideração este processo. A cor possui em sua natureza algo de obscuro, que passa uma impressão estimulante. A cor depende da luz assim como esta depende da cor, afinal a luz é a força que revela e manifesta as cores. (GOETHE, 2013; 4. ed. Pg. 50 e 65).

 “É justamente por meio das impressões cromáticas que se participa animicamente do mundo.” (HAUSCHKA. 2004. Ed 2, vl 3. Pg. 60).

O estudo das cores na Arteterapia

O ser humano pode encontrar na cor a forma de expressar seus sentimentos. As cores possuem efeitos que provocam sensações cromáticas e, assim como as cores variam em sua dinâmica, as emoções humanas variam de acordo com a energia psíquica. (URRUTIGARAY, 2011. Ed. 5. Pg. 121).

Um dos mais encantadores segredos da cor aparece quando elas se misturam. Principalmente quando cores opostas são misturadas, sua qualidade não se torna nula, mas encontram um ponto de equilíbrio, onde não há destaque e sim a revelação de uma nova tonalidade, uma novidade para os olhos, de forma tão perfeita que não pode ser decomposta após a união.

Quando as cores se misturam ocorre um fenômeno belo e muito agradável, e quanto mais intensificados forem os extremos, mais bela é a cor criada.  São cores opostas e quando misturadas geram o todo, e quando ambas são aproximadas de um terceiro elemento, surge algo ainda mais especial.  É como se a junção dos extremos fosse o segredo para a totalidade, que traz para o olhar uma sensação de harmonia.

Esta magia das cores pode ser comparada ao encontro do homem com seus extremos internos. No lado mais obscuro do homem há coisas que não se imagina que podem ser misturadas e transformadas, porém, quando é possível esta junção dos opostos, quando surge a capacidade de olhar ao mesmo tempo para o que é agradável e para o que não se suporta em si mesmo, ou apenas não se reconhece como próprio, tudo parece mais claro e repleto de sentido.

Fazer uso das cores em produções é facilitar a passagem da mensagem, feita pelo canal do inconsciente à consciência, dos afetos reprimidos, esquecidos ou ainda imaturos para o alcance da mesma. (URRUTIGARAY, 2011. Ed. 5. Pg.122).

As misturas dos opostos pessoais causam a sensação de plenitude. É o momento onde se é inteiro e capaz de encarar de frente a realidade. Talvez por isso a terapia através das pinturas e cores pode ser tão benéfica, ajudam no reencontro com lados opostos e na junção harmoniosa das “cores interiores”.

Vídeo: Our fractal brains, por Julius Horsthuis