Espírito e espiritualidade para a psicologia

Espírito e espiritualidade são temas que ultrapassam a categoria religiosa e espiritualista.

São temas que influenciam a conduta e significação da vida humana e assim convergem no terreno da psicologia.

Espírito e espiritualidade para a psicologia

Espírito e espiritualidade para a psicologia


Carl Gustav Jung dizia que o Espírito (spiritus, pneuma) em seu caráter arquetípico; que significa ar, vento, respiração, são agentes dinâmicos que movem o ser humano e utilizando a alusão do vento é possível se dizer que penetram o homem como acontece na respiração e o infla.

A afirmação de Jung aponta que o espírito humano existe em todos os homens e isso independe dele acreditar ou não na sua existência.

Porém, a descoberta do que é espiritual no ser humano é uma busca que lhe exige vontade e responsabilidade e consiste no contato com o que é espiritual e no contexto psicológico a busca consiste em se extrair o seu significado.

A espiritualidade está presente na busca de Deus ou do sagrado pelo homem, mas ela não se encerra somente nesta busca.

A espiritualidade é algo que vai além da busca religiosa.

Espírito e espiritualidade para a psicologia

A espiritualidade é encontrada em qualquer movimento em que o homem busque superar a si mesmo ou obstáculos em sua vida e nestas buscas o homem busca a transcendência de si mesmo e da sua condição existencial.

Espírito e espiritualidade são temas indissociáveis ao que é psíquico.

Joseph B. Fabry, em sua obra: A busca do significado, diz que o espírito humano na logoterapia é concebido como uma dimensão “noética” e esta dimensão inclui atributos como: objetivo, ideias, ideais, criatividade, imaginação, fé, a busca de sentido da vida, o amor que transcende os sentidos físicos, a possibilidade de transcender a si mesmo, o livre arbítrio, responsabilidades, comprometimentos, senso de humor e até a imaginação e a consciência que vai além do superego.

Explica o autor que a dimensão noética permite ao homem o autoconhecimento e a possibilidade de ajudar-se, como também auxilia o terapeuta a promover sua saúde mental e cabe ao terapeuta buscar o homem dentro da totalidade da sua dimensão humana, pois nela se encontra a essência da sua humanidade.

Desta forma, espírito e espiritualidade são temas que compreendem inúmeros aspectos, ações e influências na atuação do ser humano no mundo que são pertinentes ao escopo da psicologia.

O espírito, por sua vez, é concebido na psicologia junguiana, assim como Deus, como um objeto da experiência psíquica, ainda que o espírito não possa ser provado nem compreendido no mundo exterior.

A espiritualidade é algo que contem em si toda e qualquer manifestação de vida e é também tudo o que dá a cada coisa na natureza a sua qualidade essencial.

Enfim, a ideia do que é “espiritual” deve ser ampliada e ir além das verdades religiosas ou concepções teológicas e isto faz com que inevitavelmente alcance o terreno da psicologia.

Não há obrigação de crença por parte do psicólogo do que seja espiritual, mas lhe cabe lidar com a espiritualidade presente na vida de quem o procura e isto não deve ser tratado e visto por ele através de sua crença ou descrença.

Espírito e espiritualidade para a psicologia

Paulo Rogério da Motta