As deusas virgens

As deusas virgens na psique feminina expressam a necessidade de autonomia e a capacidade de percepção no que é significativo.

São as deusas: Artemis, Atenas e Héstia.

As deusas virgens

Como visto no artigo anterior: As categorias das deusas na psique feminina, a autora Jean Shinoda Bolen, em sua obra: As deusas e a mulher: nova psicologia das mulheres, dividiu em três categorias as deusas na psique da mulher.

Citando a autora:

Dividi essas sete deusas em três categorias: as deusas virgens, as deusas vulneráveis e as deusas alquímicas ou transformativas. […]

Modos de consciência, papéis preferidos e fatores motivadores são características distintas de cada grupo.

Acrescentei uma oitava deusa na categoria das deusas alquímicas ou transformativas: Psiquê.

Relembro que Psiquê se tornou deusa ao se casar com Eros, o deus do amor.

Você tem aqui em Psicologia Profunda um artigo com este mito: O mito de Eros e Psiquê.

Sendo assim, são estas as três categorias:

  • As deusas virgens
  • As deusas vulneráveis
  • As deusas alquímicas ou transformativas

Como também foi dito cada categoria seria estudada individualmente.

Estudemos então, inicialmente, “As deusas virgens”.

As deusas virgens

Por que deusas virgens?


A explicação é dada por Jean Shinoda Bolen na obra já citada:

O aspecto da deusa virgem é o da mulher que não pertence ou é “impenetrável” ao homem – que não é afetada pela necessidade de um homem ou pela necessidade de ser aprovada por ele, que existe completamente separada dele, em seu próprio direito.

Quando a mulher está vivendo um arquétipo de virgem, isso significa que um aspecto significativo seu é psicologicamente virginal, e não que ela seja fisicamente ou literalmente virgem.

Prossegue a autora:

Elas nunca se casaram, nunca foram dominadas, seduzidas, violadas ou humilhadas pelas divindades masculinas ou pelos mortais. Permaneceram intactas, invioladas.

Somente essas três, de todos os deuses, deusas e mortais ficaram indiferentes ao irresistível poder de Afrodite, a deusa do amor, que inflama paixão, incita desejos eróticos e sentimentos românticos.


As deusas virgens


Deusas:

  • Artemis
  • Atenas
  • Héstia

Características:

Independência, autossuficiência, não são suscetíveis de se enamorarem, os afetos emocionais não as desviam do que consideravam importante.

Não são atormentadas e não sofrem.

Como arquétipos, expressam a necessidade de autonomia e capacidade que as mulheres têm de enfocar sua percepção naquilo que é pessoalmente significativo.


Artemis

Artemis

Artemis, deusa da caça e da lua, a quem os romanos chamavam de Diana, era a arqueira de infalível pontaria e protetora da prole de todas as coisas vivas.


Atenas

Atenas

Atenas, conhecida como Minerva entre os romanos, deusa da sabedoria e das artes, patrona de sua cidade homônima, Atenas, e protetora de numerosos heróis.

Era usualmente retratada usando armadura e conhecida como a melhor estrategista na batalha.


Héstia

Héstia

Héstia, deusa da lareira e do templo, a Vesta dos romanos, era a menos conhecida dos deuses olímpicos.

Ela se fazia presente em casas e templos como a chama no centro da lareira.


As deusas na mulher

Paulo Rogério da Motta


Mais de “As deusas na mulher”: