Corpo, mente e espírito na psicologia profunda

Corpo, mente e espírito na psicologia profunda são temas indissociáveis.

Teoricamente até podem ser tratados distintamente, mas não na prática.

Corpo, mente e espírito na psicologia profunda

Corpo, mente e espírito na psicologia profunda


Edward F. Edinger, em sua obra: A psique na antiguidade, no livro um: Filosofia grega antiga, comenta que a aplicação prática da psicologia profunda é herdeira de três nobres tradições:

  • A tradição médica do cuidado com o paciente
  • A tradição filosófica do diálogo em busca da verdade
  • A tradição religiosa de cuidado com a alma

Nestas três nobres tradições podemos distinguir três aspectos que constituem a natureza humana:

  • Corpo, pela tradição médica
  • Mente, pela tradição filosófica
  • Espírito, pela tradição religiosa

Isso nos leva à reflexão de que a psicologia profunda contempla essa tríade em sua aplicação prática ao lidar com o ser humano.

Corpo, mente e espírito constituem mais que três aspectos subjetivos e teóricos dentro da psicologia profunda, pois a psicoterapia é um instrumento prático.

E, sendo assim; corpo, mente e espírito constituem também três aspectos objetivos para a psicologia profunda.

Cada uma dessas dimensões possui sua própria lógica e são tratadas distintamente, porém à psicologia cabe conceber e lidar com o ser humano em sua totalidade.

A contestação na distinção de psique e corpo atualmente se encontra validada pela psicossomática que a passos largos demonstra a íntima e indissociável relação de corpo e mente.

Pode, contudo, haver alguma hesitação ao se distinguir mente e espírito, porém é possível ver o psiquismo como algo que engloba a personalidade do indivíduo, mas que está a serviço de algo que o transcende.

Esta transcendência ao que é psíquico pode ser percebida por dons e talentos que não foram conquistas nem somáticas nem psíquicas, mas que constituem o legado de algumas pessoas.

Além dos casos excepcionais, também podemos destacar aquisições de um indivíduo que se situam além do somático e do psíquico, como alguns insights, intuição, sabedoria adquirida não originada de experiências pessoais ou herança genética, além das inúmeras situações em que estão presentes fenômenos parapsíquicos.

Sendo assim, a passagem da mente ao espírito se dá na abertura ao transcendente.

Desta forma; corpo, mente e espírito não são nem três aspectos, nem três realidades distintas, mas elementos que se adotam de forma recíproca.

Podem até ser tratados distintamente cabendo teorias específicas:

  • O corpo pela tradição médica ao buscar o entendimento do somático
  • A mente pela tradição filosófica ao se buscar a verdade
  • O espírito pela tradição religiosa na busca do sagrado

Mas a psicologia profunda não pode tratar distintamente estes temas, pois se assim fizer estará a fragmentando a natureza humana e fechando os olhos para a totalidade do ser humano.

Corpo, mente e espírito na psicologia profunda

Paulo Rogério da Motta