Consequências da liberdade


As escolhas da vida indicam quem a pessoa é e qual a direção do seu destino.

Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você!

Consequências da liberdade


As escolhas da vida são atos da vontade

A criação foi um ato de escolha divina, da vontade de Deus.

Adão descobriu o que todas as crianças descobrem muito cedo: filhos tem a capacidade de desobedecer e os pais tem a capacidade de castigar.

A expulsão do paraíso foi consequência de um ato da escolha humana.

A desobediência é o ato de se opor a autoridade, seja ela alguém ou algo.

Conclui-se então que a desobediência é um caminho para fazer escolhas.

Aqui já é possível perceber que toda escolha envolve consequência(s).

Escolhas da vida e as consequências da liberdade

O processo de fazer as escolhas da vida

Dentro do processo de fazer as escolhas da vida três componentes estão envolvidos e precisam ser considerados.

Os três componentes no processo de escolha do ser humano são:


Cognitivo

Conhecimento das regras, alternativas e consequências envolvidas.


Afetivo

Valoração da escolha como agradável ou desagradável.


Moral

Avaliação se a ação, atitude ou conduta é correta ou não.


Sobre o processo de escolha também podemos definir que fazer escolhas é exercer a liberdade.

O ser humano quando exerce a sua liberdade está sempre à procura da liberdade de algo ou alguém ou então a liberdade para fazer algo.

Temos assim a:


Liberdade “de”…

É a liberdade da busca de emancipação, oposição à autoridade.


Liberdade “para”…

É a liberdade da busca por um propósito, do compromisso com algo.

Escolhas da vida e as consequências da liberdade

Escolhas da vida e as consequências da liberdade

Pablo Neruda disse: “Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências.”.

Portanto, não seja inconsequente com a vida porque a vida não vai ser inconsequente com você!

Há uma expressão que você já deve ter ouvido que é “liberdade de causa”. Mas não esqueça que existe uma lei chamada “Causa e Efeito”.

Sendo assim, todas as escolhas da vida são acompanhadas de efeitos: as consequências.

Uma consequência que a liberdade pode provocar é a culpa, pois a escolha pode levar alguém a sentir arrependimento pela escolha que fez.

Outra consequência da liberdade é a angústia que pode decorrer, inclusive, do próprio peso da liberdade.

Mas, também, uma consequência da liberdade pode ser a alegria e este efeito da liberdade colore a vida e proporciona motivos para viver.

Vimos que as escolhas da vida são baseadas na vontade de ter liberdade para fazer algo ou na liberdade de algo ou alguém.

Quando as escolhas da vida são feitas e não carregam em si um significado a consequência disso é que a liberdade promove o “vazio”.

Vazio é o algo sem significado, daí vem a expressão vazio existencial, talvez um dos maiores males de nosso tempo.

A liberdade que provoca esse vazio é como:

  • A música que perdeu a melodia
  • A pintura que perdeu a forma
  • A poesia que perdeu a rima
  • As ideias que perderam a convicção
  • A história que perdeu o sentido
  • As religiões que perderam Deus

Escolhas da vida e as consequências da liberdade

Escolhas da vida, liberdade e prisão

Para fazer escolhas é sempre preciso que existam opções, pois se não houver opções não há como se exercer a liberdade.

Por isso, sempre que escolhemos algo também abrimos mão de outro algo.

Dentro deste jogo de sim e não, de ganhar e perder, de ir e não ir, de fazer e não fazer, o ser humano é colocado diante das dualidades.

E se a vida é baseada em dualidades, a liberdade também é!

O outro lado da liberdade é a prisão.

Muito importante a compreensão da dualidade que existe em tudo, principalmente na liberdade, pois as escolhas da vida em nome da liberdade podem levar, inclusive, na perda da própria liberdade!

Quando se considera que a liberdade é sinônima de “tudo pode” ou de “faço se quero” instala-se o caos.

Exemplos: arte sem regras, ciência sem comprovação, convivência sem respeito, posse através da violência…

Em algumas situações em que o caos é instalado é preciso então que se retire a liberdade daquele que faz as más escolhas. É preciso cercear a liberdade desse alguém e aquele sem liberdade vive na prisão.

O ser humano pode viver em dois tipos de prisão:

  • A prisão externa que o aprisiona em locais, rotinas e/ou obrigações.
  • A prisão interna que é sua própria mente que promove resistências.

Sim! Muitas vezes, o que nos aprisiona são nossos próprios processos mentais, mais até do que as próprias circunstâncias e fatos exteriores.

Da prisão externa, geralmente, não há como fugir, mas da prisão interna há e a fuga da prisão interna fará com que o peso da primeira seja até mais fácil de lidar.

Que a prisão do corpo não confine também a alma!

Escolhas da vida e as consequências da liberdade

Liberdade com responsabilidade

A liberdade de viver uma existência significativa implica a necessidade de aceitar a responsabilidade.

A liberdade inconsequente é vazia, perigosa e pode ser bem danosa!

O ser humano não é livre se rejeita toda e qualquer ordem e se assim for ele pode ser vítima da sua própria liberdade.

Portanto, regras podem servir de contorno para a liberdade.

Exemplos: leis, condutas morais, regras de segurança…

O homem é verdadeiramente livre quando se considera parte de uma ordem e se sente responsável por isso.

E há grande diferença entre “responsabilidade” e “ser responsável”.

Responsabilidade é imposta por alguma autoridade, ao passo que, “ser responsável” é algo que alguém assume por vontade própria.

Sendo assim, para o ser humano não ficar dependente de “autoridades exteriores” é necessário que ele tenha uma “autoridade interior responsável”.

Nas escolhas da vida a diferença entre escolher bem e a de não pensar antes de agir é o que determina se alguém se orienta na vida por uma autoridade interna ou se este alguém é uma potencial vítima de si mesmo.

A liberdade sem responsabilidade terá que ser uma liberdade controlada por alguém.

Já a liberdade transformada em responsabilidade faz com a liberdade seja autêntica, pois ela atenderá à autoridade do próprio indivíduo.

Se existem deveres a serem cumpridos é sábio e prudente cumprir os deveres, ou então, alguém precisará lembrar das responsabilidades existentes.

Viktor Frankl diz que todo homem é responsável:.

  • Pelo que faz
  • Por quem ama
  • Como sofre

Por tudo dito é que as suas escolhas lhe definem.

Quer saber quem você é hoje?

Olhe para as escolhas que você fez ontem.

Quer ser amanhã melhor do que você é hoje?

Faça boas escolhas a partir de agora.


Inspire-se com o vídeo:

A liberdade está no ar