Cinderela, dos Irmãos Grimm

Cinderela, dos Irmãos Grimm, fala da transformação feminina, do desenvolvimento da anima.

A moça simples que vira princesa segue o enredo de Psiquê que virou deusa.

A passagem do mito você pode ver aqui: A transformação em deusa de Psiquê.

O mito completo você pode ler aqui: O mito de Eros e Psiquê.

Cinderela, dos Irmãos Grimm

Cinderela, dos Irmãos Grimm


Era uma vez um homem cuja primeira esposa tinha morrido e que se casara novamente com uma mulher muito arrogante.

Ela possuía duas filhas que se pareciam em tudo com ela.

O homem tinha uma filha de seu primeiro casamento.

Era uma moça meiga e bondosa, bem semelhante a sua mãe.

A nova esposa mandava a jovem fazer os serviços mais sujos da casa e dormir no sótão, enquanto as “irmãs” dormiam em quartos com chão encerado.

Quando o serviço da casa estava terminado, a pobre moça sentava-se junto à lareira e sua roupa ficava suja de cinzas.

Por esse motivo, as malvadas irmãs zombavam dela.

Embora Cinderela tivesse que vestir roupas velhas, era ainda cem vezes mais bonita que as irmãs, com seus vestidos esplêndidos.

O rei daquele país organizou um baile para que seu filho escolhesse uma esposa e enviou convites para todas as pessoas importantes do reino e para as moças em idade de casamento.

As duas irmãs ficaram muito contentes quando receberam o convite e só pensavam na festa.

Cinderela ajudava.

Ela até lhes deu os melhores conselhos que podia e se ofereceu para arrumá-las.

As irmãs zombavam de Cinderela, dizendo que ela nunca poderia ir ao baile.

Finalmente o grande dia chegou.

A pobre Cinderela viu a madrasta e as irmãs saírem numa carruagem em direção ao palácio; em seguida, sentou-se perto da lareira e começou a chorar.

Cinderela, dos Irmãos Grimm

Apareceu diante dela uma fada, que disse ser sua fada madrinha, que ao ver Cinderela chorando, perguntou:

– Você gostaria de ir ao baile, não é?

– Sim! – Suspirou Cinderela.

– Bem, eu posso fazer com que você vá ao baile! – Disse a fada madrinha e deu umas instruções esquisitas à moça:

– Vá ao jardim e traga-me uma abóbora.

A fada madrinha esvaziou a abóbora até ficar só a casca.

Tocou-a com a varinha mágica e a abóbora se transformou numa linda carruagem dourada!

Em seguida, a fada madrinha transformou seis camundongos em cavalos lindos.

Escolheu também o rato de bigode mais fino para ser o cocheiro mais bonito do mundo.

Então, ela disse a Cinderela:

– Olhe atrás do regador. Você encontrará seis lagartos ali. Traga-os aqui.

Cinderela nem bem acabou de trazê-los e a fada madrinha transformou-os em lacaios.

Eles subiram atrás da carruagem com seus uniformes de gala e ficaram ali como se nunca tivessem feito outra coisa na vida.

Quanto a Cinderela, bastou um toque da varinha mágica para transformar os farrapos que usava num vestido de ouro e prata bordado com pedras preciosas.

Cinderela, dos Irmãos Grimm

Finalmente, a fada madrinha lhe deu um par de sapatinhos de cristal.

Toda arrumada, Cinderela entrou na carruagem.

A fada madrinha avisou que deveria estar de volta à meia-noite, pois o encanto terminaria ao bater do último toque das doze badaladas.

O filho do rei pensou que Cinderela fosse uma princesa desconhecida e apressou-se a ir dar-lhe as boas vindas.

Ajudou-a a descer da carruagem e levou-a ao salão de baile.

Todos pararam e ficaram admirando aquela moça que acabara de chegar.

O príncipe estava encantado e dançou todas as músicas com Cinderela.

Cinderela, dos Irmãos Grimm

Ela estava tão absorvida com ele que se esqueceu completamente do aviso da fada madrinha.

Então, o relógio do palácio começou a bater doze horas.

A moça se lembrou do aviso da fada e, num salto, pôs-se de pé e correu para o jardim.

O príncipe foi atrás, mas não conseguiu alcançá-la.

No entanto, na pressa, ela deixou cair um dos seus elegantes sapatinhos de cristal.

Cinderela chegou em casa exausta, sem carruagem e sem os lacaios, vestindo sua roupa velha e rasgada.

Nada tinha restado do seu esplendor, a não ser o outro sapatinho de cristal.

Mais tarde, quando as irmãs chegaram em casa, Cinderela perguntou-lhes se tinham se divertido.

As irmãs, que não tinham percebido que a princesa desconhecida era Cinderela, contaram tudo sobre a festa e como o príncipe pegou o sapatinho que tinha caído e passou o resto da noite olhando fixamente para ele, definitivamente apaixonado pela linda desconhecida.

As irmãs tinham contado a verdade.

Alguns dias depois, o filho do rei anunciou publicamente que se casaria com a moça em cujo pé o sapatinho servisse perfeitamente.

Embora todas as princesas, duquesas e todo resto das damas da corte tivessem experimentado o sapatinho, ele não serviu em nenhuma delas.

Um mensageiro chegou à casa de Cinderela trazendo o sapatinho.

Ele deveria calçá-lo em todas as moças da casa.

As duas irmãs tentaram de todas as formas calçá-lo, em vão.

Então, Cinderela sorriu e disse:

– Eu gostaria de experimentar o sapatinho para ver se me serve!

As irmãs riram e caçoaram dela, mas o mensageiro tinha recebido ordens para deixar todas as moças do reino experimentarem o sapatinho.

Cinderela sentou-se e, para surpresa de todos, o sapatinho serviu-lhe perfeitamente!

As duas irmãs ficaram ainda mais espantadas quando Cinderela tirou o outro sapatinho de cristal do bolso e calçou no outro pé.

Nesse momento, surgiu a fada madrinha, que tocou a roupa de Cinderela com a varinha mágica.

Imediatamente os farrapos se transformaram num vestido ainda mais bonito do que aquele que havia usado antes.

A madrasta e suas filhas reconheceram a linda “princesa” do baile e caíram de joelhos implorando seu perdão, por todo sofrimento que lhe tinham causado.

Cinderela abraçou-as e disse-lhes que as perdoava de todo o coração.

Em seguida, no seu vestido esplêndido, ela foi levada à presença do príncipe, que aguardava ansioso sua amada.

Alguns dias mais tarde, casaram-se e viveram felizes para sempre.

Cinderela, dos Irmãos Grimm