Branca de Neve, de Jacob e Wilhelm Grimm


Branca de Neve, de Jacob e Wilhelm Grimm, o conto com vaidade, ingenuidade e sem beijo de príncipe.

Surpreende quem conhece apenas a versão da Disney.

Branca de Neve, de Jacob e Wilhelm Grimm


Branca de Neve, de Jacob e Wilhelm Grimm

Certo dia, no mais frio do inverno, quando flocos de neve do tamanho de penas pendiam do céu, uma rainha estava a costurar, sentada perto de uma janela com moldura de ébano.

Enquanto costurava, olhou para a neve espetando o dedo na agulha e três gotas de sangue caíram sobre a neve alvíssima.

O vermelho era tão bonito sobre o branco da neve que a rainha exclamou:

“Gostaria de ter uma filha branquinha como a neve, com a boca vermelha como o sangue e os cabelos tão negros como a moldura de ébano da minha janela”.

Pouco tempo depois, deu à luz uma menininha que era branca como a neve, tinha os lábios vermelhos como o sangue e os cabelos negros como o ébano.

Por isso recebeu o nome de Branca de Neve.

A rainha morreu logo após o nascimento da criança.

Um ano depois, o rei se casou com outra mulher.

Era uma belíssima dama, porém muito orgulhosa e arrogante, não tolerava a ideia que alguém pudesse ser mais bonita do que ela.

Possuía um espelho mágico e sempre que ficava diante dele para se admirar, dizia:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

O espelho respondeu:

— Ó Rainha, sois de todas a mais bela.

Então ela sorria feliz, pois sabia que o espelho sempre falava a verdade.

Branca de Neve estava crescendo e, a cada dia que passava ficava mais e mais formosa.

Quando chegou à idade de sete anos, ficou tão bonita quanto o dia brilhante e mais bela do que a própria rainha.

Um dia, a madrasta perguntou ao espelho:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

O espelho respondeu:

— Minha Rainha, sois muito bela ainda, mas Branca de Neve é mil vezes mais linda.

Ao ouvir estas palavras a rainha começou a tremer e seu rosto ficou verde de inveja.

A partir daquele momento passou a odiar Branca de Neve.

Sempre que seus olhos pousavam nela sentia seu coração frio como uma pedra.

A inveja e o orgulho brotaram como ervas daninha em seu coração.

De dia ou de noite, ela não tinha um momento de paz.

Um dia chamou o caçador e ordenou:

— Leve a menina para a floresta. Nunca mais quero vê-la novamente. Traga-me seus pulmões e seu fígado como prova de que a matou.

O caçador obedeceu e levou a princesinha para um passeio na floresta.

Em certo momento, Branca de Neve virou de repente e se deparou com o caçador com uma faca na mão pronto para desferir-lhe um golpe mortal.

Inocente, começou a chorar e a suplicar:

— Ai, querido caçador, poupe minha vida. Eu prometo correr para a floresta e nunca mais voltar.

Branca de Neve era tão bonita que o caçador teve pena dela e disse:

— Fuja pobre criança.

“Os animais selvagens irão devorá-la antes do tempo”, pensou. E sentiu como se um grande peso tivesse sido tirado de seu peito, pois não queria matar a menina.

Naquele instante, passou ali um filhote de javali e o caçador o matou à estocadas retirando em seguida seus pulmões e seu fígado para levá-los à rainha.

Retornando ao palácio entregou os órgãos à perversa que, exultante de satisfação, levou pessoalmente ao cozinheiro, dando-lhe instruções para fervê-los em salmoura.

Depois de preparados, a rainha os comeu, pensando que estava se alimentando dos restos mortais da enteada.

Neste ínterim, a pobre menina vagava sozinha na vasta floresta.

Estava muito assustada e começava a escurecer.

Cada árvore, cada galho, pareceria tomar formas fantasmagóricas.

Desesperada, pôs-se a correr cada vez mais adentro, embrenhando-se na mata, passando sobre pedras pontiagudas e arbustos espinhosos.

De vez em quando feras passavam por ela, mas não lhe faziam mal.

Ela corria tão apavorada que mal sentia as pernas.

Ao cair da noite, viu ao longe uma pequena cabana e entrou para se abrigar.

Nessa casa todas as coisas eram minúsculas, mas tudo indescritivelmente limpo e organizado.

Havia uma mesinha com sete pratinhos sobre uma toalha muito branca.

Cada pratinho tinha uma colher pequena e do lado sete garfinhos e sete faquinhas, sem esquecer das sete canequinhas.

Sedenta e com fome, Branca de Neve comeu algumas verduras, um pouco de pão de cada pratinho e tomou um gole de vinho de cada canequinha.

Do outro lado, viu sete caminhas enfileiradas e extenuada por tantas emoções tentou deitar nelas, mas parecia não lhe caber.

A primeira era muito longa, a segunda muito curta, já a sétima caminha era perfeita.

Então, ela fez sua oração e adormeceu profundamente.

Era completamente escuro lá fora quando os donos da casa retornaram.

Eram sete anões garimpeiros que passavam o dia nas montanhas escavando a terra em busca de minérios.

Acenderam suas sete lanterninhas e, quando a casa se iluminou, perceberam que alguém tinha estado lá, pois nem tudo estava do jeito que tinham deixado.

O primeiro anão perguntou:

— Quem sentou na minha cadeirinha?

O segundo perguntou:

— Quem comeu no meu pratinho?

O terceiro perguntou:

— Quem comeu o meu pãozinho?

O quarto perguntou:

— Quem comeu minhas verdurinhas?

O quinto perguntou:

— Quem usou meu garfinho?

O sexto perguntou:

— Quem cortou com a minha faquinha?

O sétimo, enfim, perguntou:

— Quem bebeu na minha canequinha?

O primeiro anão olhou ao redor e reparou que seu lençol estava amassado e disse:

— Quem subiu na minha caminha?

Os outros vieram correndo e cada um gritava: “Alguém dormiu na minha cama também”.

Até que os olhos do sétimo anão caíram sobre sua pequena cama e viram Branca de Neve ali, dormindo.

Começou a gritar chamando os outros que prontamente acudiram e ficaram tão assombrados que todos ergueram suas sete lanterninhas para ver melhor Branca de Neve.

— Meu Deus, meu Deus! – exclamavam boquiabertos. É a mais bela criança que já vimos!

Os anões ficaram tão encantados com a princesinha que resolveram não acordá-la e deixaram-na dormindo na caminha.

O sétimo anão dormiu por uma hora com cada um de seus companheiros durante a noite.

Pela manhã, Branca de Neve acordou.

Quando viu os anõezinhos a volta de sua cama olhando para ela ficou bem assustada, mas eles foram muito amáveis e perguntaram:

— Qual é o seu nome?

— Meu nome é Branca de Neve – ela respondeu.

— Como você chegou à nossa casa?

Branca de Neve contou tudo que lhe acontecera, de como a madrasta mandou mata-la e como o caçador poupara sua vida.

Contou que saiu correndo pela floresta por várias horas até chegar à cabana deles.

Os anões lhes disseram:

— Se cozinhar, arrumar as camas, lavar, costurar, tricotar e manter tudo limpo e organizado pode ficar conosco e nós vamos dar-lhe tudo que precisa.

— Sim, com prazer – ela respondeu.

Desde esse dia, Branca de Neve passou a cuidar da casa para os anões.

De manhã bem cedo, eles saíam para trabalhar no alto das montanhas em busca de ouro e prata.

Ao cair da noite, voltavam e encontravam um gostoso jantar prontinho à espera deles.

Como a menina passava os dias sozinha, os bons anões recomendaram seriamente:

“Cuidado com sua madrasta. Em breve ela vai saber que você está aqui. Não deixe ninguém entrar na casa”.

A rainha, porém, acreditando que havia comido os pulmões e o fígado de Branca de Neve, estava certa que agora era a mulher mais linda do mundo.

Foi até o espelho e perguntou:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

O espelho respondeu:

— És sempre bela, minha Rainha. Mas na colina distante, cercada por sete anões, Branca de Neve ainda vive e floresce e sua beleza jamais foi superada.

Ao ouvir essas palavras a rainha ficou abismada, pois sabia que o espelho era encantado e por isso não podia mentir.

Depois quase explodiu de tanto ódio ao compreender que o caçador a enganara e que Branca de Neve continuava viva.

Não perdeu tempo e, cheia de inveja, pôs-se imediatamente a maquinar uma maneira de se livrar dela.

Desceu aos porões do castelo onde costumava praticar feitiçaria e utilizando seus conhecimentos de bruxa ficou irreconhecível, tornando-se semelhante a uma velha.

Nesse disfarce viajou para além das sete colinas até a casa dos sete anões.

Lá chegando fingiu ser uma vendedora e anunciou:

— Belas mercadorias, preço excelente.

Ouvindo isso Branca de Neve olhou pela janela e disse:

— Bom dia, minha senhora. O que você tem para vender?

— Coisas boas, coisas bonitas – a bruxa respondeu. Os mais finos cordões para corpete – e puxou rendas e tecidos de seda de muitas cores.

“Eu posso deixar esta boa mulher entrar”, pensou Branca de Neve, e correndo o ferrolho da porta comprou o cordão mais bonito.

A bruxa, muito ladina, disse:

— Ó, minha filha, você é tão bonita, mas está tão desarrumada. Venha, deixe que eu arrume o cordão para você.

Branca de Neve completamente inocente, colocou-se diante da velha e deixou que ela lhe arrumasse.

A perversa apertou tanto o cordão e tão depressa que Branca de Neve ficou sem fôlego e caiu desmaiada como se estivesse morta.

— Agora quero só ver quem é afinal a mais bela de todas – disse a velha que logo saiu correndo.

Não demorou a anoitecer e não demorou muito os sete anões voltaram para casa.

Quando entraram deram com sua amada Branca de Neve estendida no chão e ficaram horrorizados.

Ela não se movia e eles acreditavam que ela estivesse morta.

Ergueram-na para colocá-la sobre a cama, quando perceberam o cordão do corpete fortemente amarrado e então o cortaram em dois.

A princesinha começou a respirar e pouco a pouco voltou à vida.

Quando os anões souberam o que tinha acontecido, advertiram:

— A velha vendedora era a rainha disfarçada. Tome mais cuidado e não deixe ninguém entrar, a menos que estejamos em casa.

Assim que chegou ao castelo, a primeira coisa que a rainha fez foi dirigir-se ao espelho e perguntou:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

Branca de Neve, de Jacob e Wilhelm Grimm

O espelho respondeu como sempre fazia:

— Aqui está a mais bela, minha Rainha querida. Branca de Neve ainda vive e floresce e sua beleza jamais foi superada.

Ao ouvir as palavras do espelho a rainha ficou possessa de raiva e o sangue gelou em suas veias.

— Mas desta vez, – ela disse – vou sonhar com algo que irá destruí-la.

Usando toda bruxaria em seu poder, ela criou um pente envenenado.

Então, mudou de roupa e se disfarçou mais uma vez como uma velha mulher.

Viajou para além das sete colinas até a casa dos sete anões, bateu à porta e gritou:

— Belas mercadorias, preço excelente.

Branca de Neve olhou pela janela e disse:

— Vá embora, não posso deixar ninguém entrar.

— Mas você pode pelo menos dar uma olhada – disse a velha que tirou o pente envenenado e ergueu-o no ar.

A princesinha gostou tanto que, completamente inocente, abriu a porta.

Quando acordaram o preço, a velha afirmou:

— Agora vou dar a seu cabelo um bom penteado.

Pobre Branca de Neve não suspeitou de nada e deixou a mulher seguir em frente.

Assim que o pente tocou seus cabelos o veneno fez efeito e a menina caiu sem sentidos no chão.

— Você está acabada – disse a malvada mulher, correndo para longe.

Felizmente, os anões estavam a caminho da cabana, pois era quase noite.

Quando chegaram, viram Branca de Neve no chão como se estivesse morta e suspeitaram da madrasta imediatamente.

Ao examiná-la, descobriram o pente envenenado.

Logo que o puxaram, Branca de Neve recobrou à vida e disse-lhes o que tinha acontecido.

Novamente avisaram-na para não para abrir a porta a ninguém.

No castelo, em frente ao espelho a rainha perguntou:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

O espelho respondeu como antes:

— Aqui está a mais bela, minha Rainha querida. Branca de Neve é a mais bela que já vi.

— Branca de Neve tem que morrer! – vociferou. Mesmo que me custe a vida.

A rainha entrou no calabouço, onde ninguém jamais pôs os pés, e fez uma maçã envenenada.

A aparência da fruta encantada era maravilhosa – branca com as faces vermelhas – se você a visse, você ansiaria comê-la.

Mas bastaria a menor mordida para levar-lhe à morte.

Assim que terminou de preparar a maçã enfeitiçada, usando de artimanhas, transmutou-se desta vez na forma de uma velha camponesa e partiu para além das sete colinas até a casa dos sete anões.

A bruxa bateu à porta e Branca de Neve olhou pela janela e disse:

— Não posso deixar ninguém entrar. Os sete anões não permitem isso.

— Está tudo bem – respondeu a velha camponesa. Vou me livrar das minhas maçãs em breve. Aqui, vou lhe dar uma.

— Não – disse Branca de Neve. Não devo aceitar nada de estranho.

— Você tem medo que esteja envenenada? – perguntou a velha. Olhe, vou cortar a maçã ao meio. Você come a metade vermelha e eu como a outra branca.

A maçã havia sido feita de modo astucioso, apenas a parte vermelha tinha veneno.

Branca de Neve estava com água na boca de tanto desejo pela bonita maçã e, quando viu a camponesa morder seu pedaço, não resistiu.

Estendeu a mão para fora da janela e pegou a outra metade.

Assim que mordeu caiu morta no chão.

A rainha triunfante olhou-a caída e desatou a rir:

— Branca como a neve, boca vermelha como o sangue, cabelos negros como o ébano! Desta vez aqueles horríveis anões não conseguirão trazê-la à vida.

Chegando ao castelo, dirigiu-se de imediato ao espelho mágico e perguntou:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

E , finalmente, a resposta:

— Ó Rainha, sois vós a mais bela do reino.

E a invejosa rainha mal podia se conter de tanta felicidade.

Ao cair da noite, os anões voltaram para casa e encontraram Branca de Neve caída no chão.

Nem um sopro de ar em seus lábios.

Ela estava morta.

Ergueram-na para procurar algo em volta que pudesse ser venenoso.

Desamarraram-lhe o corpete, pentearam-lhe o cabelo, lavaram-na com água e vinho, mas tudo foi em vão.

A criança querida se fora e nada poderia trazê-la de volta.

Depois de colocá-la em um esquife, todos os sete anões se sentaram ao redor e a velaram.

Choraram a mais profunda tristeza durante três dias.

Estavam prestes a enterrá-la, mas ela ainda parecia tão viva com belas bochechas vermelhas.

Um dos anões disse:

“Não podemos enterrá-la”.

E, então, construíram um caixão de vidro transparente que permitia Branca de Neve ser vista por todos os lados, com inscrições em ouro com seu nome e os dizeres que ali estava a filha de um rei.

Levaram o caixão até o topo de uma montanha e mantinham sempre um deles em vigília.

Os animais também foram lamentar por Branca de Neve, primeiro uma coruja, depois um corvo e, por último, uma pomba.

Branca de Neve permaneceu no caixão por um longo e longo tempo.

Entretanto, seu corpo não se decompôs e dava a impressão de estar dormindo.

Suas feições continuavam as mesmas, branca como a neve, boca vermelha como o sangue e cabelos negros como o ébano.

Certo dia, o filho de um poderoso rei atravessava a floresta quando chegou à casa dos anões para pedir hospedagem por uma noite.

Quando subiu no alto da montanha, à procura dos donos da cabana, se deparou com o caixão com a bela Branca de Neve deitada dentro dele, rodeado pelos sete anões.

Leu os dizeres em letras douradas e, encantado com a beleza da princesinha, disse:

— Deixai-me levar o caixão. Eu darei o que pedirem.

Os anões responderam:

— Nós não venderíamos nem por todo o ouro do mundo.

O príncipe respondeu:

— Deem-me, então, como presente, pois depois que a vi não posso mais viver sem ela. Vou honrá-la e tratá-la como se fosse minha amada.

Os bons anões comovidos com o profundo sentimento do príncipe se apiedaram dele e lhe entregaram o caixão.

O príncipe mandou vir seus servos a quem ordenou que pusessem o ataúde sobre os ombros e o transportassem.

Mas aconteceu que tropeçaram em um arbusto e o solavanco desprendeu o pedaço de maçã envenenada alojado na garganta de Branca de Neve.

Ela prontamente voltou à vida e exclamou:

— O que aconteceu, onde estou?

O príncipe radiante de alegria disse:

— Você vai ficar comigo – e contou-lhe o que acontecera. Eu te amo mais que tudo no mundo, ele disse. Venha comigo para o castelo de meu pai, seja minha noiva!

Branca de Neve sentiu um grande amor pelo príncipe e partiu com ele.

Em breve as núpcias foram celebradas com enorme esplendor.

A perversa madrasta de Branca de Neve também foi convidada para a festa do casamento.

Vestiu suas mais belas roupas, postou-se diante do espelho e perguntou:

— Espelho, espelho meu, quem é a mais bela de todas?

O espelho respondeu:

— Minha Rainha, sois muito bela ainda, mas a jovem rainha é mil vezes mais linda.

A malvada mulher soltou uma maldição e estava tão paralisada de raiva que não sabia o que fazer.

No começo, não queria comparecer à festa de casamento.

Mas resolveu ir e conhecer a jovem rainha.

Quando entrou no castelo, Branca de Neve a reconheceu no mesmo instante.

A madrasta, ao perceber que se tratava da princesinha, ficou tão aterrorizada que não conseguiu ceder um centímetro dali.

Sapatos de ferro já haviam sido aquecidos para ela sobre fogo em brasas.

Foram levados por tenazes e colocados bem na sua frente.

A bruxa foi obrigada a calçar os sapatos de ferro em brasa e dançar em torno de si até, finalmente, cair morta.