Anima e animus na prática clínica

Anima e animus na prática clínica indicam se a relação terapeuta e cliente será apenas uma psicoterapia ou se será uma análise.

Pontes para o outro e para o inconsciente.

Anima e animus na prática clínica

Anima e animus na prática clínica


O encontro da anima e do animus é um encontro arquetípico que requer maior profundidade.

O encontro destes arquétipos está mais além do que é social comparando com a atuação da persona e da sombra.

Representam, desta forma, pontes que permitem o encontro do eu com o (a) outro (a).

Por isso a anima e animus são pontes para o relacionamento homem e mulher no mundo externo e pontes internas na psique para o relacionamento consciência e inconsciente.

É uma relação complexa por sua profundidade.

A anima representa o aspecto Yin, o eterno feminino no homem e o auxilia a escolher a parceira certa e a desenterrar fatos escondidos no inconsciente.

O animus representa os aspectos masculinos recessivos da mulher e o aspecto Yang de seu inconsciente: ímpeto para ação, capacidade de julgamento e de discriminação.

Anima e animus na prática clínica

O processo de maturidade psicológica passa necessariamente pela relação madura com a contraparte psíquica sexual.

A consciência da anima e do animus é também vital para as relações com o sexo oposto, pois os que conseguirem ter consciência destes arquétipos em si conseguirá se relacionar com o sexo oposto com mais autenticidade, empatia, realismo e construirá relações mais valiosas e que ultrapassam a superficialidade do papel social do homem e da mulher.

Na prática clínica é aqui que se descortina se a relação terapeuta e cliente será apenas uma psicoterapia ou se será uma análise.

Se o trabalho psicoterapêutico não tocar a consciência da anima e do animus não será possível um trabalho mais profundo, pois, como foi dito, a anima e o animus são pontes não só das relações entre homem e mulher, mas também são pontes para o mais profundo que há no indivíduo, ou seja, são pontes entre o inconsciente e a consciência.

Anima e animus possibilitam o encontro com o outro e abrem a porta na psique para o encontro com si mesmo.

Anima e animus na prática clínica

Paulo Rogério da Motta