Amor e dor, mestres e carrascos

Amor e dor são dois mestres, mas também podem ser carrascos na vida.

Desejo e medo são ingredientes de amor e dor.

Perdas e ganhos são seus frutos.

Amor e dor

 Desejo e medo


Amor e dor estão intrinsecamente ligados ao desejo e ao medo.

O fim de algo que não queríamos que tivesse fim ou a perda de algo que não gostaríamos de abrir mão traz o sofrimento psicológico, pois afeta tanto nosso desejo quando nosso medo.

Nossa desejo seria de continuar tendo o que queríamos.

Nosso medo é o imprevisível de como será sem o que tínhamos.

O desejo originado do passado e o medo ocasionado pelo futuro e o sofrimento vivido no presente.

Quando a resignação não acontece diante de um fato inevitável, o ser humano apega-se à dor, seja carregando a melancolia do que tinha e não tem mais ou vivendo uma vida de medo procurando evitar situações semelhantes para que não corra o risco de perder e sofrer novamente, estas são algumas das armadilhas que o ser humano pode cair.

Amor e dor

Perdas e ganhos


Para crescer temos de perder, abandonar e desistir.

As perdas podem trazer ganhos, pois podem ser o caminho para uma nova orientação na vida, podem ser o espaço necessário para o surgimento de novas oportunidades, podem ser lições para se fortalecer…

A dor da saudade, os encontros e desencontros da vida afetiva sempre estiveram demonstrados nas canções e poemas do nosso cotidiano.

As perdas são universais e constantes e sempre  carregam em si a possibilidade para se alcançar uma maior maturidade e equilíbrio psicológico.

As dores existirão tanto para os que não as suportam como para os que as aceitam e as toleram.

A vida é marcada por repetições e continuidade, mas é também aberta a mudanças e para crescer, deve-se renunciar a muitos projetos fadados ao insucesso.

Amor e dor

Amor e dor


A saudade decorrente de uma grande perda pode nos levar a desequilíbrios emocionais irrecuperáveis.

No amor, muitas pessoas se tornam totalmente incapazes para estabelecer um vínculo afetivo por medo de amar e sofrer grandes desilusões.

E não se pode amar profundamente alguém ou alguma coisa sem se tornar vulnerável às perdas. Amar é sempre um risco!

Outros, com medo da solidão preferem manter relacionamentos opressivos.

É preciso ser perseverante para superar não só as perdas por amor, como todas as outras que ocorrem durante toda a nossa vida.

O amor é uma fonte de grandes prazeres, mas também de muitas dores em todas as idades.

Quando as coisas estão bem, as pessoas se sentem em estado de êxtase e harmonia, mas quando o amor se encaminha na direção da dor e do sofrimento, nos sentimos totalmente abandonados e desamparados.

Quando perdemos o que ou quem amamos sofremos.

Quando perdemos algo que não tem nenhum tipo de valor para nós não sofremos.

Então, “é o amor que dá valor a qualquer coisa ou alguém”.

Se, por um lado, o amor pode trazer a dor, é preciso que também enxerguemos que somente o amor é que dá valor e sentido a qualquer coisa na vida e à própria vida.

Amor e dor andam juntos!

A dor na vida é inevitável, então, que toda dor seja por amor.

Perdas são inevitáveis, mas o amor possui a capacidade de preencher o vazio deixado pelo que foi perdido se continuarmos dispostos a amar.

A força do amor para superar a dor.

Sofra, regozije-se, chore, ria, ganhe, perca, porém… Ame sempre.

Amor e dor

Viver o luto e então viver e lutar


Ao perder algo permita-se sofrer, viver seu luto, mas permita-se também a oportunidade de recomeçar.

Espelhe-se na semente que está sob a terra fria e escura, mas sendo alimentada pelo sol e com o propósito de romper a terra e transformar-se.

A semente tem em si a sabedoria de que precisa morrer como semente para nascer como planta.

Seja feito Fênix na vida!

A Fênix é um pássaro da mitologia grega que quando morria entrava em autocombustão e passado algum tempo renascia das próprias cinzas.

Viva a dor como um momento de morte na vida, mas use a própria dor para renascer no amor à vida.

Paulo Rogério da Motta


Vídeo: Padre Fábio de Melo

Harry Benjamin: Não acrescente dias à sua vida, mas vida aos seus dias.